segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Porque os escritores tambem tem mães?

Aquelas palavras
e aquele sotaque francês torto
agradavam de certa maneira
tambem torta.

As músicas com suas claves
e o teatro com suas atrizes
e o francês
torto.

Tinha médio porte,
cabelos de um negro
chamativo e olhos mortos
e repetia asneiras ao
pé do ouvido.

Louca.
Absurda.
Absorta, na vida e da morte.
Suas canções permaneciam ali
a me infernizar as paixões.

Eu sabia que as ruas eram perigosas,
mas eu era bom.
Sou bom.

Ela não me entendia.

Fingia não ouvir que
eu vivia tambem
e preocupava-se
com os atalhos.

"Bobagem"
eu dizia,
"Os medicos e os padres
tambem morrem
um dia".

Na verdade
eu sabia que não podia contar
com as probabilidades.
Nem elas comigo.
Mas insistia e vencia.

Via os mortos nas calçadas
e eles pediam
pão e paz.

Loucos, se achavam
que teriam pão.
Paz é muito mais facil
quando estamos mortos.

Não quero paz.
Só preciso ainda
do sotaque francês torto.
Dos olhos mortos e
dos carinhos
e afagos, do mundo.

Divirto-me constante - mente
com meus sonhos.
Meus desejos estão tão
vivos
que posso senti-los em mim.
E aquelas palavras
permanecerão até depois
do fim.

Serão como o vinho que
agora beberico.

"Viva sua paz,
quando sentir que
deve viver ...
Não precisa pressa.
basta olhar com bons olhos
o que está por vir".

E eu sim amei.
Não como amante.
Como amado.
Amei como quem sente
os dois lados e nunca
escolhe um.

Amo como filho.
Sou como filho.
Sou filho.

"Mãezinha, isso
sempre foi a realidade".

3 comentários:

Gustavo Santiago disse...

melhor texto que li seu até agora. Me tocou de certa forma. Parabéns velho.

Bah Cecília disse...

Num digo mais nada

Maíra D. disse...

porque? sempre sobra uma inspiração para a figura materna... faz parte.

excelente texto, tá de parabens ;)